Conasa integra missão no exterior

Eduardo Vergutz, diretor da Companhia, foi convidado pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária para participar de evento na Califórnia

 

São muitos os lugares no mundo que têm dificuldade com a captação e distribuição de água potável. Em função disso, sofrem demasiadamente com secas e outros problemas em consequência. São Francisco, na Califórnia (EUA), é um desses exemplos, por enfrentar o colapso do sistema hídrico – comum em muitos condados dos Estados Unidos - e um difícil sistema de gerenciamento de água.

Justo por suas peculiaridades, foi nesta cidade que aconteceu a missão da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental - ABES, tendo entre os convidados o diretor da Conasa, Eduardo Vergutz. A ideia era ver de perto os investimentos e as soluções que os californianos estão encontrando, a fim de manter a distribuição adequadamente.

No programa, visita à Estação de Tratamento de Esgoto de Daly City e à Estação de Tratamento Oceanside, com apresentação do surpreendente Projeto de Reuso da Água – que através de um processo impressionante, com vários estágios, transforma o que seria esgoto em água potável novamente, para ser aproveitada de várias formas. Isso já gerou, inclusive, matérias nas mídias internacionais, como uma alternativa para o caso de um futuro com predominância de estiagens.

A agenda foi intensa. Durante uma semana, o executivo, junto com outros diretores de empresas brasileiras, esteve também no Centro Avançado de Purificação de Água do Vale do Silício e na Universidade de Stanford, onde foram apresentadas as mais modernas tecnologias para tratamento da água. Na instituição de ensino foram apresentados projetos inovadores, como a extração de gás metano durante o tratamento de esgoto - a fim de gerar energia renovável, sem a dependência do petróleo, além da produção de plásticos biodegradáveis a partir do elemento químico. A produção de matéria prima para a alimentação na piscicultura também  foi exposta, tal como as perspectivas de geração de riqueza a partir dos recursos gerado pelo próprio esgoto e seus sub-produtos. 

O encerramento contou com reunião da Câmara de Comércio com empresas americanas do setor e os convidados brasileiros, além de uma outra atividade na cidade de Sacramento, no Centro de Controle de Recursos Hídricos do Estado da Califórnia – abordando assuntos que tratam desde a regulação, reuso e até as mudanças climáticas.

“Foi mesmo uma visita de muita importância para aprimorar os conhecimentos e observar suas aplicações e resultados. Além de nos certificarmos de que também estamos no caminho certo”, avalia Vergutz. Outro fato relevante é a troca de informações e o network, uma ferramenta essencial para qualquer atividade atualmente, com peso significativo entre as empresas de saneamento.

O chamado para as atividades nos Estados Unidos foi decorrente da conquista da Conasa no Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento, o PNQS, em 2017, na qual a concessionária de Itapema foi reconhecida pelos seus serviços na categoria "Compromisso com a Excelência". Estabelecido pela ABES Nacional em 1997, a condecoração, única no mundo, certifica o trabalho de empresas no segmento de saneamento em todo o solo brasileiro.