Mart’nália canta Vinicius de Moraes em Florianópolis!

Cantora apresenta um inédito e singular show, sábado (13), no Teatro Ademir Rosa, no Centro Integrado de Cultura (CIC)

 

Nada poderia representar melhor o coração inflamado do carioca do que unir Vinicius de Moraes e Mart’nália. Essa intensa preguiça para tudo o que não seja paixão amorosa e criação artística faz do mero anúncio de um álbum dedicado por ela à obra dele um vislumbre do essencial da alma do Rio. Intérprete das mais notáveis da sua geração, Mart’nália canta Vinicius no show que apresenta sábado, 13 de abril, às 21h, no Teatro Ademir Rosa, no Centro Integrado de Cultura, em Florianópolis.

Amparada nos arranjos sempre elegantes de Celso Fonseca em parceria com o saudosíssimo Arthur Maia, a voz a um tempo rasgada e suave de Mart’nália, pé do nosso samba, traduz o amor pelas mulheres, a compaixão pelos desfavorecidos, a impaciência com os medíocres, tudo o que é motivação para os versos sempre tão bem construídos de Vinicius, numa linguagem íntima porém desacorrentada.  

Os arranjos estilizados no gosto do pop moderno pós-bossa nova, pós tropicalismo, pós clube da esquina e pós rock dos 80 são menos um ninho onde a voz se aconchega do que uma bela touceira de onde salta um bicho arisco. Vinicius, que não era cantor, abre o repertório saudando e sendo saudado no “Samba da Bênção”, expondo o método. Mart’nália pega a chama, responde, e mantém a cabeça do bicho fora da moita. Quando, em “Insensatez”, Carla Bruni contribui com um canto cultamente bossanovístico, há uma unidade formal que sublinha a beleza da canção e se encaixa na folhagem leve da touceira . É canto excelente e comovedor.

O que faz ressaltar o que há de molecagem, soltura, Vinicius em Mart’nália, quando esta volta a assumir o tema. “Tonga da Mironga”, “Maria vai com as outras”, “Um pouco mais de consideração” têm isso de modo óbvio. Em “Minha namorada”, “Sabe você” ou “Você e eu”, a malandragem envolve-se, sutil, no romantismo, no protesto, na obstinação.

Mart’nália Canta Vinícius de Moraes em tudo, Mart’nália traz um Vinicius vivo, arranhado apesar da lisura - e sempre feliz nos lamentos. O Rio, mais uma vez, agradece a ela - e o Brasil, uma vez mais, agradece ao Rio Mart’nália Vinicius de Janeiro. Da da Bahia, a gratidão enorme se estende à presença da terra na formação da poesia/música de Vinicius, tão comovedoramente representada pela declamação do “Soneto do Corifeu” por Maria Bethânia e pela entrada de Toquinho, na inesquecível composição que ele fez junto ao poeta sobre lugar sagrado de Salvador.

Dois mundos que celebram o Brasil!

SERVIÇO

Mart’nália canta Vinicius de Moraes

Quando: Sábado, 13 de abril

Horário: 21h (abertura às 20h30)

Local: Teatro Ademir Rosa, Centro Integrado de Cultura – Avenida Governador Irineu Bornhausen, 5600, Agronômica, Florianópolis

Ingressos: Blueticket e bilheterias do CIC, Teatro Álvaro de Carvalho e Teatro Pedro Ivo

Classificação: 14 anos

Realização: É Show Produtora!